Joana Bordalo e Sá lidera a FNAM desde dezembro de 2022, Jorge Roque da Cunha lidera o SIM desde 2014.

Há 18 meses que ambos entram e saem do Ministério da Saúde, na Avenida João Crisóstomo, em Lisboa, para cumprir aquele que já se está a tornar um dos processos de negociação mais longos da história da classe médica com o poder político. Hoje deveriam regressar ao Ministério da Saúde para mais um encontro, para o qual já levavam “poucas expectativas”, mas este foi cancelado ao início da noite de ontem, devido à demissão do primeiro-ministro e à crise política em que o país mergulhou.

O acordo que os dois líderes andaram a negociar pode ficar pelo caminho, caso se avance com o cenário de novas eleições, mas, afinal, quem são os líderes que representam os médicos? Joana Bordalo e Sá é especialista em oncologia médica e presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fnam) desde dezembro do ano passado, Jorge Roque da Cunha é especialista em medicina familiar e secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) desde 2014.